terça-feira, 17 de setembro de 2013

CORDÃO UMBILICAL

A sede que a coragem tem
é apenas um sonho selvagem sem pressa de se selar o dorso
Nas manhãs de hálitos apodrecidos

A realidade essa...
Não é real
O ar que respiramos
é induzido
O alimento que ingerimos
é obrado
Sugerido
Pela corja manipuladora de gestos e sentidos
Que nos obrigarão um dia
pelo o umbigo
a separar-nos da gente
Banido-te...
Num ser rendido de história

Tenho pena do tempo que se escapa
Choro as horas no monte das distracções
E iludo-me com uma justiça crua
quando me perco pela rua...
De um caminho para o monte

Sem comentários:

Publicar um comentário