sábado, 12 de junho de 2010

meditar


É na estrada que a vida anda mais devagar

O carro vai tomando conta dos sentidos sem pedir licença
Projectando no espelho retrovisor imagens disformes
De uma vida sem passado

A meditação toma conta de nós
Cá dentro no habitáculo somos… só tu e eu
Despidos dos pés a cabeça
Chorando e rindo da estupidez quotidiana

Todos querem voar
Todos sonham neste divagar
Mas todos criam amarras
E ganham trela no seu cordel

Intuições…
Pressentimentos de verdade
Segredam na película
Agruras e crenças
Que são regateadas por o mais fino vendedor de sonhos

As peças do puzzle vão encaixando uma a uma
Sem haver necessariamente lógica… há encaixe !
Nem sempre melodioso
Mas sempre preciso

A sinceridade é como o vento
Que nos leva sem questionar

Como um balão que voa alto
Sem cordel que o prenda...

quinta-feira, 3 de junho de 2010

hesitações


A noite traz a vontade que o dia oculta
O sonho ilude sem querer… o crer que,
a verdade segreda

Falar do amor do passado é ancorar no tempo
Falar do amor num futuro é arremessar o dardo do desejo
contra a linha do horizonte
Falar do amor no presente é transcendental …anterior a qualquer experiência
É um definhar em reticências de um sublimar que está para lá do desejo

Os olhos vêem á distância aquilo que a proximidade,
lhes oculta num gesto
Caminho atento as hesitações que sonego
Perco tudo no gaguejo de um olhar
…de um sorriso

Convicto do erro da indecisão
Dou os passos cada vez mais marcantes
nesta estrada de alcatrão que é a vida