sexta-feira, 22 de agosto de 2014

TOQUE

O banal é um ritual tão romântico na vida
entrelaçada da paixão
Que o coração viaja sem tirar os pés do chão  
Sempre que em uma das palmas da minha mão
há a singularidade de haver uma das tuas...

Nunca é preciso dizer mais nada quando o nada já é tanto!
Que "Nadar" pode ser imenso, para que tudo faça sentido

Sem comentários:

Publicar um comentário