sábado, 16 de agosto de 2014

INDELÉVEL

O que me inflama não é a combustão
Não é o sexo nem a chama de um beijo
Se não...
Um pensamento que prefura a brandura do meu ser  
Com vontade de por à boca o que comer,
desse teu corpo tão cruelmente apetecível
Salivo-me das entranhas à pele sempre que te assomas do meu peito
E eu desajeitado busco-te sem jeito
faminto em exorcizar a ância de te querer
As horas param neste meu universo
Onde és a chama e eu o progresso
na  grama por onde arder...
E levas-me sempre para todo lado
Para onde quiseres
Pois sabes bem que és de todas as mulheres
Aquela que me faz sonhar
A que me impele num aqui ficar
Até me transcender


"...amo aquilo que nos torna mais do que somos..."
(Irvin D.Yalom)

Sem comentários:

Publicar um comentário