quinta-feira, 22 de agosto de 2013

INSÓNIA I

Já tudo se acomoda em redor do meu corpo                        
O hábito içou bandeira
e hoje é o ensaio diário da cegueira
O amanhã ganhou vicio
de se deixar um tudo para depois
As horas reclamam por esquecimento
no tic tac da memoria
E as histórias essas já nem as conto
Afundo-as até me chegarem aos pés

Tudo isto é a minha loucura
É mais uma noite
em que a insónia foi lisura
Franca, precisa  e leal
Afinal...
Eu até já me sabia
Mas como também sou um mero alguém
Para agir preciso de me infligir de rotinas
Polvilhadas de acerto
e uma boa dose de deliberação


Sem comentários:

Publicar um comentário