segunda-feira, 10 de novembro de 2014

UMA NOVA ESTAÇÃO

O amor não acaba
O que termina são as estações  
Olhou para a moldura em tons de azul bebé e repreendeu a emoção que por ela se assomava  
Puxou a foto delicadamente com as unhas e vandalizou-a com uma chama lanraja até queimar os dedos polegar e indicador. Deixando a cinza espalhada pelo quarto desarrumado na penumbra da desmotivação
O amor não acaba
O que termina são ilusões
Esta jovem provou no passado o intenso do sentimento,  e hoje sem sustento, apagou todos os vestígios que comprovavam um amor capaz de a agasalhar
Entrou na casa de banho para lavar as mãos e olhou o espelho que à muito a contemplava
O seu reflexo era tão difuso que mal se reconheceu
O seu estado era tão atormentado e confuso que de repente, fez-a olhar para trás, julgando-se na solidão com mais alguém
A verdade é que estava só, tão solitária que nem se apercebeu o quanto mal tratada se tinha fustigado
O amor não acaba
O que termina é uma oração
Tomou um duche para se livrar do quebranto e mimou-se ao pormenor, para que em seu pranto os dias não fossem tão cinzentos
Acendeu um cigarro e filosofou argumentos que lhe conferiram pensamentos muito mais capazes do que a realidade em que se aninhara
A sua história chegara  ao fim, mas ainda tinha tanto caminho pela frente por lavrar...E logo se agonizou, ao pensar que agora estava só
Quanto tempo precisa a agonia para  devassar um corpo nú?
O amor não acaba
O que termina é a escravidão
Pegou num caderno onde sempre escrevia o que lhe apetecia em jeito de sonhos... Que não precisam de lucidez para vir à tona
E compôs na palavra um enquadramento que lhe conferiu acerto ao terminar o texto, assim desta forma
"...O amor não acaba
O que termina é a paixão
Onde a posse é um direito, e a razão nos apequena"

Sem comentários:

Publicar um comentário