quarta-feira, 16 de outubro de 2013

CONFESSIONÁRIO

Confesso que me consigo ser na palavra mais alguém
do que aquele em quem
se enquadra no meu traço

Confesso que me sou muito mais ausente
do que o todo clarividente...
Presente
De um imediato

Confesso que sou o meu maior pecador
por me aproveitar tanto mas tanto
do proveito da minha inutilidade

Confesso que a minha loucura é errar
e que o acerto não é tanto a minha procura
Pois a forma pecadora dos meus actos
não se enquadram no mundo dos sensatos
Onde eu me afogo

Confesso que me minto por segredos
que jamais serão contados
Por omitir tanta verdade
disciplinada na liberdade
De escolher a solidão
Que uma vida fora do pensamento

Sem comentários:

Publicar um comentário