sexta-feira, 23 de abril de 2010

como quem chama por mim


Vejo-te ao longe a sorrir
A vontade de te abraçar é premente
A angustia de não saber o teu cheiro
Hidrata-me o paladar

Faço-te adeus deste lado de cá
Tu olhas
Fixas
E não me vês
Mas eu sei que também me sentes

Aguardo a tua presença como quem chama por mim
Sereno
Na paz
Equilibras-me com a mão e puxas-me com o desejo

Mesmo não estando aí
Eu estou lá!
Presente na bruma dos sentidos
Acolá nos recantos do teu quarto

Dás-me força no teu sorriso
Eu sinto-o deste lado de cá
Inspiras-me na palavra
a dar mobilidade,
á articulação dos meus gestos

Sem comentários:

Publicar um comentário