domingo, 13 de agosto de 2017

SILÊNCIO DAS MADRUGADAS



Toda a magia nasce e cresce nos silêncios,
até que,
iquietos pensamentos a tentem moldar
e repercutir  nas palavras.

Foi assim,
 em todas as jornadas da nossa ida...

Quantas fabulas não foram mais que histórias inventadas ao silêncio?
Esse espaço amplo e pereferico do momento
que não se quis personificar.

Quantos silêncios nas madrugadas ficaram por contar?
Ecriptados sob olhares e espasmos,
ou mesmo orgasmos...
Que romperam o silêncio para depois,
 serenos,
se moldarem arrefecidos nos corpos de peles já frias.

Quantas arritmias silenciosas irás ter tu que provar?
Antes de te declarares sem pejo nem pudor,
o que até então foi só tristeza e muita dor.
Um receio enorme de confessar o silêncio que te amarrotou sem que,
te insufla-se a fundo o peito...
De um  ar que te carecia tanto.

Foi assim em todas as jornadas da nossa ida
Será seguramente também assim,
 todos os dias,
para sempre...
Até entregarmos o silêncio
deliberadamente
de mão beijada.
Eu tu e os silêncios por detrás das palavras


Daqui...
Ainda te observo em silêncio.

Sem comentários:

Publicar um comentário