quinta-feira, 20 de agosto de 2015

ESPASMOS DE DEPÊNDENCIA

Morde-me !
Morde-me a boca
Morde-me a voz até ficar rouca
Morde-me a paciência até sangrar
Morde-me as formas para me provocar
Espasmos de dependência
Morde-me!
Morde-me a fome
Morde-me o corpo que dorme combalido
Morde-me o sono que jaz adormecido
Morde-me os dedos
Morde-me, bem mordido...
Morde-me!
Morde-me o pulsar intermitente da garganta
Morde-me a alma, seja santa ou não
Morde-me com gosto
Morde-me à séria
Morde-me!
Morde-me sem receios do medo
Morde-me com nervo, até ao fundo
Crava-me os dentes até à dormência de um moribundo
Morde e rasga-me o mundo
Morde-me agora não me mastigues

Sem comentários:

Publicar um comentário