quinta-feira, 25 de julho de 2013

EMILIA

Eterna sempre meiga
mãe da minha vida
Capaz de me dar até
o que do corpo lhe carece
Numa gratidão imensa
que me enternece
E me edifica
em solida estrutura

Senhora sempre dona
da referencia que me assoma
A cada passo meu
Desde o ventre
até ao hoje que sou eu
Valorizado até
na propria ignorância, de não me ser ao certo
Talvez só por ousar um concreto
De crer que em mim, assim
tu és mais

És na vida
a formula mais conseguida
de um todo acreditar
És na religião a deusa que me beatifica
És na paixão a mulher que me ampara
E na dor és o meu amor
Sempre que a distancia nos separa

És na métrica
o meu resultado quântico
Quando a física já não chega
para definir o quanto...
De atómico tem a tua ausência
para suprimir
Todo este meu pranto

Um dia se me faltares
...
Nada me restará

Sem comentários:

Publicar um comentário