sexta-feira, 29 de julho de 2011

Justiça dos homens


Verdades duras
Que o calor do sol amolece
Austeridades moles
Que a mentira pontifica

É aqui que tudo acontece
É aqui que tudo ramifica

Sistemas e organizações
Banqueiros da ganância
Empréstimos sem contemplações
Juros fáceis num crédito da tolerância

Governos eleitos por sedução
Tentação irresistível de poder
Enganam um povo iludido
Na fome... com a vontade de comer

Adestrados do umbigo ao caroço
Vergados às contrariedades da vida
O povo fixa raízes num olhar
Submisso e resignado por uma justiça medida

Que só é justa para os outros
Que só é justa para o que convém
Que só é justa porque não contempla
O sentimento de um pai de um filho...
De uma mãe

Governo Banca e Justiça
Ceptro de Neptuno
que em nosso mar impera
E nos tira...gatuno
As migalhas de um pão tão difícil de roer

Sem comentários:

Publicar um comentário