terça-feira, 27 de maio de 2008

INSÓNIA


Escrevo para me libertar
Escrevo para mais tarde recordar

Hoje a insónia bateu-me á porta
Fui abrir
e deixei-a penetrar
Servi-lhe um chá
para acompanhar
E pus-me a tagarelar com ela
Fazendo confidências
Dizendo-lhe o que se deve calar


"Porque me queres acordado?"
Ao que ela me respondeu:
"Venho limpar o crude
e ser a "juíza" do teu pensamento!
-Nem sempre és justo no jogo do teu sentimento
-Nem sempre lhe dás razão
-Nem sempre ouves o bater do teu coração
-Nem sempre sentes o alimento que o teu corpo grita
-Nem sempre dás atenção ao teu respirar
ou a um simples movimento...
Quando a orgânica e o "objecto do jogo" és tu"

E assim falei eu com ela de todas as minhas incertezas


"Sabes insónia:
Hoje roubaste-me o sono
Deste-me companhia
Hoje roubaste-me o descanso
Deste-me amizade
Hoje roubaste-me os medos
Deste-me paz

Gosto de ti !
Ajudas-me a ver o mundo lá fora
de forma eloquente
És realista na maneira de me dizer
És verdadeira na maneira de pensar"


Sorveu o ultimo gole e disse-me:
"As gavetas estão abertas
só tu as podes fechar
Arruma-as com cuidado
Será que te vais enganar ?
Não estou aqui para te amparar !
Nem tão pouco para mendigar !
Estou aqui sim para te dizer
Que só tu tens as chaves e o poder
Só tu tens o dom de as esquecer
Só tu tens o engenho de as podes arrumar"

Escrevo para me fazer compreender
Escrevo para me organizar
Escrevo para entender o muito dos meus desenganos

Hoje mais uma vez estava errado
Obrigado insónia

Sem comentários:

Publicar um comentário